Se você mora no Distrito Federal e quer aprender música e de graça acesse esse link no final do post da escola de música de Brasília que está oferecendo vagas até 10 de setembro.

  Oficinas Básicas Pontuais

Estão abertas as inscrições para 44 modalidades instrumentais, vocais e teoria musical das Oficinas Básicas Pontuais
A Associação de Pais, Alunos e Mestres (APAM) do CEP/Escola de Música de Brasília (CEP/EMB) oferece 44 modalidades de Oficinas Básicas Pontuais. São aulas de instrumentos, vocais e de matérias teóricas em níveis básico, intermediário e avançado. As oficinas acontecem sempre aos sábados, de 10 de setembro a 10 de dezembro de 2011. Cada encontro tem a duração de 2 horas.

Inscrições
As inscrições podem ser feitas até o dia 10 de setembro (ou até quando acabarem as vagas), presencialmente, na APAM do CEP/EMB (SGAS 602), das 8h às 12h e das 14h às 20h. As vagas são limitadas. Não há sorteio de vagas. A inscrição é feita por ordem de chegada. Informações: (61) 3321-1593 e (61) 3901-7687.

Carga horária e certificação
A carga horária das oficinas é de 40 horas e os concluintes receberão um certificado de qualificação profissional emitido pela APAM-CEP/Escola de Música de Brasília.

As Oficinas Básicas Pontuais oferecidas são:
Canto Coral Infantil, Canto Coral Juvenil, Canto Coral e Técnica Vocal Adulto, Intensivo de Teoria Musical e Solfejo I e II, Canto Lírico Performance, Canto Popular, Leitura Musical I e II, Flauta Doce Soprano, Flauta Transversal, Clarineta e Prática de Música de Câmara, Saxofone, Gaita de Boca Diatônica, Gaita de Boca Cromática, Prática de Violão/Guitarra – Tirando músicas de ouvido, Violino Popular, Acordeom Popular, Contrabaixo Elétrico, Violão Popular, Violão Erudito, Violão Popular Brasileiro, Guitarra Elétrica Moderna, Guitarra Elétrica, Cavaquinho Brasileiro, Samba e Chorinho com Prática de Conjunto, Piano Popular, Teclado Popular, Teclado e Teoria Musical Aplicada, Introdução ao Teclado e Teoria Musical, Bateria, Percussão em Ritmos Nordestinos, Percussão com Raízes Afrodescendentes, Percussão para MPB, Cajon, Pandeiro sem Limite, Musicalização Infantil, Musicalização Infanto-Juvenil, Iniciação Musical para Jovens, Musicalização para Crianças, Técnica para DJ, Prática de Conjunto, Trompete e Dança de Salão “Forró do bom”.
Acesse o quadro informativo com horários, cursos, ementas e demais informações sobre as Oficinas Básicas Pontuais.

As Oficinas Básicas Pontuais são destinadas à comunidade em geral, leigos, músicos profissionais, amadores e estudantes de música ou de áreas afins. É uma modalidade de educação profissional de duração variável, destinada a proporcionar ao cidadão a formação inicial e continuada com a aquisição de conhecimentos que lhe permitam musicalizar-se, profissionalizar-se, qualificar-se e atualizar-se para o exercício de funções demandadas pela sociedade e pelo mundo do trabalho.

O conteúdo curricular de cada oficina busca desenvolver estruturas cognitivas que conduzam às aprendizagens, construções e reconstruções de competências e habilidades musicais. Vale lembrar que as vagas disponibilizadas para as Oficinas Básicas Pontuais não têm relação com o curso regular da Escola de Música de Brasília.


mais informações acesse:   
http://www.emb.com.br   e clique em oficinas básicas pontuais.






                                                                             

 
     Olá para todos vocês. Espero que o final de semana que está se acabando esteja tranquilo com todos. O meu está cansativo, mas tá legal. Minhas crianças estão melhores e fora a sêca que tá sufocante o resto aqui tá legal. Hoje eu vim prá falar abobrinhas. Bater papo mesmo.
     Coisas incríveis estão acontecendo na minha casa. Eu, que não gostava de ver tv agora estou vendo alguma coisa, como noticiários e programas de humor. Vejo pouca coisa como o Pânico na TV e Zorra total. Quanto ao Zorra Total só vejo o quadro da Janete e Valéria Vasques que eu acho o maior barato. "Elas" me fazem rir muito e eu gosto de me divertir nem que seja por poucos minutos. Já chega a vida tão amarga na maioria das vezes. Outra coisa incrível foi que meu marido agora resolveu aderir aos noveleiros de plantão e está acompanhando uma novela que começou na Globo acho que semana passada. Tem um tal de "Pereirão" que é uma mulher que faz de tudo um pouco prá sustentar os filhos e acabou que eu ganhei o apelido da dona porque aqui eu faço muitas coisas tipo, fazer um portão prá varanda, pintar muro, pintar portão, encimentar um pedaço de chão que necessite de uma massinha, consertar coisas que quebram e por aí vai.
      Mas eu não sei de mais nada da novela porque eu não vejo novela. Não vejo porque não tenho paciência de ter de acompanhar por meses e meses só prá ver como ela vai acabar. Deus me livre desse negócio. Gosto de filme porque começa e acaba no mesmo dia. Nem aqueles últimos filmes do Harry Potter eu quiz saber de ver porque disseram que ele seria partido no meio e só acabaram com o filme quase um ano depois.Esse negócio de parte 1 e 2 tô fora. Deus me defenda dessas coisas.Mas, respeito quem goste.
     Bem, eu sou assim. A maioria das pessoas não são e é por isso que novela dá ibope. Donas de casa costumam gostar, assistir e até torcer para os malvados se lascarem no final e os bonzinhos se darem bem. Já vi muito disso em muitas casas que fui. Fico danada quando vou no Rio passear e o povo pára o papo porque tá na hora da novela. Acho isso um absurdo. Mas, não adiantar eu não gostar e muito menos fazer bico. O resto todinho gosta e correm todos juntos só prá ver. Eu fico esperando o povo voltar. Fazer o quê?
     E por conta disso acabei virando ET.
     Não tem um mortal que me ache normal quando eu digo que não vejo novelas Só porque não vejo novelas. Mas eu vejo televisão!
     Vejo notícias, vejo "todo mundo odeia o Chris", vejo Rodrigo Faro no sábado, depois Zorra Total prá ver Janete e Valéria e Pânico na Tv. Acho que tá de bom tamanho. Ah... também gosto de ver uns desenhos de vez em quando. Mas, só alguns.
     E aí aconteceu que semana passada eu fui no salão cortar meus cabelos e a dona me perguntou o que eu achei do final da novela. Eu perguntei:- que novela? Aí ela falou o nome da novela que eu até esqueci e expliquei a ela que eu não via nenhuma.
     Ela arregalou uns olhos tão grandes que eu fiquei com medo dela. Minha filha ficou rindo porque sabe que eu não vejo e respondeu por mim. "Ela não vê novela"!
     Nossa! A mulher fez uma cara pior ainda. Não vê????? Porque  não vê? Sua tv pifou? Eu disse que não. Eu respondi que só não via novelas, mas eu gosto de ver alguma coisa. E ela ainda inconformada me disse para meu desespero que "hoje é dia de vir no salão prá falar do final da novela!!!" E eu tive de pedir desculpas mas eu não saberia conversar sobre esse assunto porque nessa eu tô desinformada.
     A mulher ficou balançando a cabeça com negativos, como se tivesse pensando...  Como é que pode? Nunca vi isso! Bem que eu tentei falar de mim, de arte, de poesia, artesanato. Mas ela toda hora pisava em mim e atirava a pedra por causa do "raio" da novela. Ela queria porque queria saber o final da novela.
Perdi a paciência. E tive de ser grossa. E falei prá ela. Então hoje não vai ter conversa. Eu vim prá cortar meu cabelo, não foi prá falar de novela.Só faltou a imagem do cavalinho do Pânico na tv.
      Caramba! Depois fiquei com medo dela fazer uns ninhos de rato na minha cabeça e fiquei olhando atentamente cada tesourada que ela dava nos meus fios. Graças a Deus no final deu tudo certo. Não saí careca nem com buracos na cabeça. Paguei e vazei.
     Ora, onde está o respeito pelas diferenças? Eu me senti vítima de preconceito. A mulher parecia não estar nada satisfeita porque eu não vi o final da novela. Chupa essa manga!
     Quando retornei para casa já vim refletindo sobre o meu "eu". Que raio de mulher sou eu que não vejo novelas? Até onde isso poderia afetar meu convívio social? Será que realmente sou diferente ou as pessoas que são muito iguais? Será que eu deveria realmente saber que desfecho teve a novela que estava no ar prá contar prá alguém e ter conversa prá gastar?  Sei não, mas acho que esse mundo tá ficando meio perdido.
     Foi uma coisa que me fez refletir.
     Lembrei de um trecho do poema de William Shakespeare onde ele dizia " não importa em quantos pedaços seu coração foi partido. O mundo não pára para que você o conserte." Pois é.... Fui cortar o cabelo e cortaram meu coração. Me senti magoada. Mas isso passa. Tudo passa não é mesmo? Eu hein! Cada uma que me acontece.




         Boa noite aos meus seguidores antigos e aos meus mais novos seguidores. Tenho passado por aqui quase todos os dias mas sem tempo para postar. O motivo? Um montão de motivos. Correria, cansaço e por vezes falta de inspiração. Estou fazendo um monte de artesanatos, só que agora por causa de pedidos que recebi e estou aproveitando e pondo eles à venda também, já que durante minha terapia ocupacional, consegui fazer coisas demais para ficarem guardadas. Aproveito para compartilhar minhas idéias e arrumar meu cantinho das artes de novo. Tá uma confusão que vocês não imaginam.
          Meus filhos andaram com problemas de saúde e isso sim tem me tirado o sono. Estou dormindo pouco por poucas horas e me sentindo um "caco". Mas até agora consegui sobreviver. Isso não é muito importante. Importante será quando eles ficarem bons. Não estão ainda 100%. O tempo aqui não ajuda com essa sêca que está quase nos matando e a distância da família também nos prejudica. Tenho vontade de voltar pro Rio e levar meus filhos para morarem lá, mas ao mesmo tempo tenho medo da violência de lá. Mas aqui também não está lá grandes coisas. Sinceramente, não sei prá onde eu corro.
Bem gente, eu vim dar uma satisfação do porque do meu sumiço e espero que vocês estejam todos legais de saúde e quem for daqui de Brasília que esteja conseguindo suportar bem a sêca e o ar que está horrível. Já são 70 dias sem chuva e só depois de 15 de setembro que está previsto ela aparecer. Fazer o que né?



























 
Blogger Templates