Parece até brincadeira, mas não é. Ele voltou! Bastou chover por dois dias e não sei como, mas ele voltou. Quem? O sapo gordo.
Desta vez foi o ó do borogodó.
Sábado, choveu a tarde toda, a noite inteira e quando fui verificar se havia alguma coisa para guardar antes de fechar as portas e dormir, levei um susto. Lá estava ele. Tive o mesmo pensamento de antes. “Não acredito”.
Bem, o sapo gordo, virou sapo doméstico e acho que tem faro igual de cachorro. Como ele pôde voltar direitinho para o meu quintal depois de tantos dias e tantas noites e de ter sido deixado tão longe?
Não sei mas o plano D vai ter que ser colocado em ação. Mas eu não tenho plano nenhum e por enquanto estão os três sapos novamente morando na minha garagem.
Fazer o que né? Para tudo há uma explicação. Por enquanto eu não achei nenhuma, mas acredito que alguma irá aparecer.



     O que eu vou falar pra vocês parece até mentira, mas não é. Se pudessem vir até minha casa saberiam da verdade. É mato pra tudo quanto é lado e a natureza agradece.
     Teve um dia, no ano passado que choveu pra caramba. Choveu um dia, dois, três, um montão de dias. Graças a Deus eu moro no lugar mais alto de Brasília e aqui não tem enchente, mas teve um monte de lugar que alagou. Quando não chovia de manhã, chovia à tarde ou de noite ou de madrugada. Mas chovia. Não deixava de chover.
     E foram tantas águas rolando prá todos os lados que uma noite eu comecei a escutar uns barulhos esquisitos de um bicho que eu não reconheci na hora qual era. O bicho parecia que latia igual a um cachorro, mas estava meio rouco e o latido era rápido, coisa de segundos. Abri a porta que dá acesso pra garagem e olhei com cuidado, procurando pelo bicho que latia, mas não era o meu cachorro e pra espanto meu, havia um monte de sapo pra tudo quanto é lado na garagem. Parecia uma invasão. De cara fiquei espantada e gritei “Caraca! Quanto sapo!”.
     Corri pra dentro de casa, fechei a porta e fui pegar a máquina pra tirar fotos dos sapos. Aquilo tinha de ser registrado. Ninguém ia acreditar em mim se eu falasse que meu quintal tinha sido invadido por sapos. Lembrei até das sete pragas do Egito.
      Meu celular não tirava fotos e minha máquina digital estava sem pilhas. Que coisa feia! Com tanta tecnologia a minha disposição, esqueci que para usufruir dela a gente precisa estar bem equipado. Pronto. Meu plano falhou. Mas chamei meu marido, meus filhos e o bom de tudo é que meus vizinhos também receberam as visitas dos sapos invasores. Fiquei contente. Tinha testemunhas do acontecimento.
     Toda noite depois da chuva eles apareciam. Esparramavam-se pela garagem, pelo quintal da frente, dos fundos, realmente uma invasão. Mas a chuva foi cessando e os sapos diminuindo. O bando foi ficando menor e ficou escasso. No final de tudo só sobrou um que cismou e ficou morando no meu quintal. Toda noite ele aparecia. E com o tempo ele foi crescendo e engordando e foi ficando maior, maior e mais gordo. Ficou bem gordo. Eu o chamava de sapo gordo.
   O folgado do sapo ficou morando na calha da chuva e quando chovia a água não passava mais porque ele entalava lá dentro de tão gordo e começou a dar enchente na minha garagem e ele também começou a ficar sem graça e nojento, porque ele defecava minha garagem todas as noites e todos os dias eu tinha que lavar. Isso sem contar que ele ficava latindo que nem um cachorro e aquilo me davam nos nervos. Era aquele latido estranho, rápido de segundos, mas era um latido.
     Descobri que o sapo era o tal do “cururu”, muito comum lá na Paraíba e que ele mordia e latia mesmo. Lá na Paraíba o povo tem até medo dele porque se ele não gostar de você, ele avança e morde que nem cachorro. Valei-me. Quem disse isso pra mim foi um Paraibano legítimo que acho que não tinha intenção de mentir.
     Comecei a ficar com medo do sapo gordo e a pensar em um jeito de me livrar dele. Aliás, dele só não, porque eu acho que ele se casou e já tinham mais dois morando na calha da chuva com ele. Talvez fosse mulher e filho ou algum outro parente do tempo da invasão.
     Como toda vez que eu lavava a garagem o sapo gordo saia da calha, porque começa a ficar muito cheio dágua e eu tive uma idéia brilhante. Esperei ele e seus amigos saírem e peguei um balde velho e emborquei perto do sapo e varri-o pra dentro dele. Depois fui até sua esposa e filho e fiz a mesma coisa. Eles tentaram pular pra fora do balde, mas eu coloquei uma revista por cima e segurei e levei-os para passear.
     Fui até os fundos do quintal que dá para outra rua e soltei os três juntinhos para não se separarem por lá, pelo mato.
     No dia seguinte quando olhei pra garagem e vi as sujeiras eu não acreditei. Eles haviam voltado. Meu plano deu errado.
     Tinha que colocar em ação o plano B.
     O processo foi o mesmo. Coloquei os três no balde, cobri a borda pra não fugirem e levei–os novamente para passearem, só que desta vez um pouco mais distante.
     Andei igual uma retardada com um balde nas mãos cheio de sapos e quando achei que estava em lugar legal para eles, tirei a tampa do balde e soltei os danados no terreno da rua de trás. Uma outra rua, bem longe, uns 300 metros da minha casa e ainda passei vergonha porque um vizinho me viu e perguntou o que era aquilo e eu falei “ é  uns sapos que moram lá em casa e eu estou despejando”. Só me faltava essa. E ele ainda ficou rindo. Não achei graça nenhuma.
     A partir dali fiquei com raiva dos sapos.
     À tarde lavei a garagem, coloquei ração pro cachorro e fui tirar uma soneca.
     A campainha tocou. Fui atender. Uma menina, vizinha minha, colega da minha filha, falou: “tia tem um monte de sapo aqui no portão da senhora!” Eu não acreditei. Fui abrir o portão pra ver se eram “eles” que estavam voltando e gritei: “eu não acredito!”. Foi só abrir o portão e pronto. Entraram e correram pra calha dágua. Me deu uma raiva!
     Não tinha o Plano C, mas tive de inventar um e rápido.
     Esperei chegar o final de semana, mais precisamente o sábado, sabe por quê? Porque meu marido tá de folga e eu levaria os sapos para passear desta vez de carro. Meu marido iria dirigindo e eu levaria o balde com tampa, com sapo e tudo pra bem longe. E foi o que fiz. Juntei os três de novo, coloquei no balde, cobri e fomos eu e meu marido para uma voltinha com os sapos.
     Foram colocados com todo amor e carinho em um cantinho no matinho os três, juntinhos, bem distante de casa, bem distante de tudo, em um lugar de muito mato, muito verde e umidade como eles gostam. Ficaram e nós voltamos para casa. Ainda comentei com meu marido que só faltava eles seguirem o carro.
     Desta vez acredito que eles não possam voltar por causa da distancia em que foram deixados. Mas, se voltarem, pelo amor de Deus! Não sei como será o plano D. Acho que eu vou ter que me mudar.





Quando eu vejo uma pessoa falando com tanto ódio e rancor no coração, fico imaginando como anda  a vida dessa pessoa. Fico penalizada por ela estar sofrendo tanto e ter tanto rancor guardado dentro de si e ao invés de fazer terapia, fica descontando em quem não tem nada com a vida dela. Simplesmente essa pessoa fica tão amarga que sai espalhando o veneno dela em volta de todos que a cercam. É uma mágoa grande, um ódio avassalador, uma vida de problemas sérios que a gente nem imagina qual seja, mas essa pessoa te mira, te acerta e te magoa, como se ferir todos que encontra em sua frente fosse a melhor maneira de desabafar.
       Eu fiquei pasma de imediato, mas depois entendi pelo seu tom de voz  que Luis Carlos Prates estava fazendo era nada mais que um desabafo inconsciente que sua mente guardara há tempos. Ele soltou todo seu ódio e ressentimento por Dilma ter vencido ás eleições. Foi isso que eu vi. Nada mais. Magoou humildes que graças ao bom governo Lula tem dado oportunidades para que os trabalhadores da antiga classe social, chamados de pobre passassem para a classe média alta e se torturou de ter que dividir espaços que antes eram só de alguns e que agora são de todos.
     Mais lamentável que ouvir seu comentário infeliz é saber que tem um monte de gente que concorda com ele e ainda bate palmas.
     Soube disso lendo um bando de comentários em um site sobre o besteirol que ele falou. São pessoas que pensam como ele. Guardam rancores, se sentem menos ricos e olham os humildes como se fossem lixos saindo das lixeiras de onde não deveriam sair nunca. Incomoda para ele e para muitos o simples fato de saber que um trabalhador que se lascava para poder pagar suas contas no passado por causa da inflação violenta e enorme que havia no passado, agora poder pagar suas contas e ainda ver sobrar uma merreca no fim de cada mês e poder pagar uma prestação de um carro, de uma casa.
     Acham absurdo um pobre que agora não é mais tão pobre poder viajar de avião e dirigir seu próprio carro.
     Se por um lado os ricos estão ficando menos ricos, os pobres ainda estão suando para poderem ter um algo mais em suas vidas.
     Pena que isso incomoda alguns. Não deveria. Mas incomoda.



                             




Morreu na tarde desta quinta-feira (11), aos 31 anos, o segurança Antônio Eduardo Sousa da Silva. Toninho  ficou conhecido nacionalmente durante as exibições do quadro Amaury Dumbo, do Pânico na TV!, por não achar graça das piadas de Freddie Mercury Prateado. Depois do sucesso, foi convidado para compor o elenco da segunda temporada da Xurupita's Farm.

Segundo um amigo, o rapaz tinha problemas de gastrite e foi hospitalizado após uma crise. "Há 16 dias ele começou a passar mal durante o plantão e eu disse para ele ir pra casa e tomar remédio. Ele foi direto para o hospital e não voltou mais", lamentou Udevald da Silva Filho, que trabalhava com o segurança há 6 anos no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Em conversa com o RedeTVi, Edvaldo Sousa da Silva, irmão de Toninho, contou que ele passou por pelo menos quatro cirurgias durante o período em que esteve na UTI do hospital do Campo Limpo. "Depois de uma tomografia, os médicos disseram que ele estava com o intestino perfurado. Fizeram a operação para fechar, mas os pontos infeccionaram e tiveram que abrir de novo. Nesse meio tempo as fezes se espalharam entre os órgãos e a situação foi se complicado", detalhou. "Os familiares vinham visitá-lo sempre e ultimamente ele estava com um pedaço do intestino para fora. Quando foi hoje recebemos a notícia de que tinha falecido", relatou.

Ainda de acordo com seu irmão, Toninho casou no civil há 6 meses e não tinha filhos.

No Memorial da América Latina o clima é de luto entre os companheiros do segurança. "Vamos fazer um revezamento para podermos ir ao cemitério. É muito triste! Quase tive um enfarte quando soube da notícia. Trabalhava com ele há 5 anos", declarou Sandra Aparecida Augusto Cunha.

O enterro foi  nesta sexta-feira (12) às 11h.



     Para não ficarmos só com a parte triste desta história vamos rever um vídeo que deu ao Toninho o título de "enigmático". Como ele conseguia ficar tão sério com o Fred Mercury prateado (César Polvilho) fazendo tanta palhaçada? Bem, nesse vídeo o povo do Pânico já tinho estado em um evento e se surpreenderam com Toninho que não riu de jeito nenhum como faziam a maioria dos seguranças dos eventos.
     Para surpresa do prateado quem estava de segurança nesse dia? O Toninho. Nesse dia eu ri muito e não poderia deixar de repassar para voces verem como ele era sério. Jeito dele, mas muito legal.
     Espero que e família encontre conforto e orem para que ele fique em paz.












Hoje o tempo aqui tá fechado. Choveu durante toda a semana e para piorar dei mau jeito na coluna que pra respirar tava difícil. Mas é assim mesmo. Quando a gente pensa que esta tudo bem, lá vem problema.
     Estava assistindo algumas vezes a Fazenda na Record e comecei a entender qual é a dos peões. Eles tentam ganhar dois milhões no final, mas perdem a compostura, a educação, são traidores, uma bagaceira. Cada semana sai um e o pior que quem está saindo são os mais simpáticos.
     A Nany People que eu não esperava sair saiu. O Sérgio Malandro era outro por quem eu torcia. Já a Geise, o Tico e a Monique não fediam nem cheiravam e não liguei muito quando elas saíram Os antipáticos estão todos por lá ainda. Menos o carrasco é claro, que é o que eu mais simpatizo e torço para que ele fique até o final e ganhe esse dinheiro.
     Já o Viola tem me irritado profundamente porque ele é fofoqueiro demais da conta e joga todo mundo contra todo mundo. Tem gente lá na fazenda que ainda não viu isso e fica dando idéia pra esse antipático. Estou torcendo para ele ir pra roça porque eu vou votar nele se possível durante 24 horas e ainda coloco no Twitter uma campanha para que todos os meus seguidores votem junto comigo.
     Já o Brito também é meio sem educação. Quase não deixa ninguém falar muito e não tem sido simpático assim como o Bial é com os participantes do BBB. O Brito ta muito sério.A impressão que me dá é que ele não gosta de fazer esse programa. Sei lá. Parece.
     Eu não assistia a esses programas, mas quando a gente ta sem opções e nem dá pra sair pra canto nenhum com tanta chuva a gente vai catando alguma coisa pra distrair.
     Entre um programa e outro estava vendo na semana passada na Luciana Gimenes, acho que é esse o nome da moça, um camarada que tem quatro esposas que ele chama de meus amores. Uma sabe da outra e segundo eles quiseram demonstrar ali é que nenhuma delas liga de ser a outra porque cada uma acha que é a única, pelo menos quando estão com ele. Sei não, se essa moda pega hein? O mais interessante é que o espertinho diz que só ele é o marido. Elas não podem nem pensar em trair ele. Se traírem estão fora da vida dele. Engraçado, né? Pois é; São coisas que existem por aí que a gente fica sem entender. To me rindo.
    




Quero desejar a você que está sempre por aqui e à você que veio hoje pela primeira vez,  uma excelente noite e tomara Deus que você tenha tido um boa semana. Já a minha semana foi meia problemática. Meu filho mais velho ficou doente com muita febre e tosse e dores na garganta e ainda precisou faltar na escola na quarta-feira mesmo depois de um feriado com recesso e quando ele ficou bom foi a minha vez. Acordei ontem com tosse de cahorro e dores em todo o corpo e fiquei meia lerda prá andar, prá trabalhar, prá qualquer coisa. Estava batendo os queixos de frio e resolvi tomar uns comprimidos de paracetamol e de repente comecei a transpirar e fiquei boazinha. A febre se foi, a tosse está aliviando e as dores no corpo menores. Não estou 100% mas estou 90. E assim, acho que fiquei bem. Não consegui fazer desse feriadão uma boa diversão mas pelo menos são males menores. Tem gente passando por problemas maiores e uma gripe com tosse, febre e dor no corpo a gente tira de letra.
     E ontem mesmo, já que fiquei um tempo deitada e descansando resolvi pegar meus rascunhos de coisas antigas que escrevi há algum tempo e passar adiante para vocês. Boa leitura e boa semana para todos.






     Fogo no Cerrado
O que houve senhor Jacaré?
Estás com uma cara tão feia!
Mas parece um chipanzé
que não tem a barriga cheia!
Não vá me dizer que voltaram
os homens que mandamos embora,
depois que eles quase acabaram
com os bichos que somos agora?
Não senhor lobo guará não é isso.
Corro pois não quero me queimar
O fogo que vem lá longe
já, já vai estar por cá.
Pegue seus filhos e corra
que é alto o fogo que vem
se não correrem bem rápido
aqui não sobrará ninguém.
Meu Deus e a dona andorinha?
Ainda choca seus ovos devagar!
Os bichinhos não estão maduros
Ela não vai querer abandonar.
Mas ela terá que fugir
Do fogo não vai escapar
O fogo não faz desvios
para um animal poder salvar...
Temos que avisar a todos
e do cerrado fugir
aqui não dá pra ficar,
rápido! Temos que sair
O tatu que é esperto
prá longe já estava correndo
e para escapar do inferno
na estrada acabou morrendo
As maritracas escandalosas
passaram voando e gritando
enquando que o vento soprava
e as chamas mais ainda aumentavam
Dona cobra tentou correr
não foi rápida o suficiente
seu coro chegou a brilhar
nas chamas do fogo fervente
Olha lá o vento soprando!
Escuta a sirene tocando!
Meu Deus como o fogo é tão mais rápido
que os bombeiros que estão chegando!
Vamos embora senhor lobo guará
temos muito que correr
Melhor fugir que morrer!
É, senhor Jacaré...
Nisso o senhor tem razão
Mas, coitada da dona Andorinha,
falou que não pode correr
e deixar seu ninho a ferver.
"Os animais que conseguiram
Do fogo do cerrado escapar,
estão agora se perguntando
onde agora irão morar."




e um acróstico,



 
 
 
 
 
 
 
 
 
Chegou a Primavera!
 
Colorindo a natureza, enfeitando mil jardins,
hoje as flores desfilam até mesmo em pensamentos
exalando seus melhores perfumes ao mundo
gerando emoções de afeição e romantismo.
Os pássaros voam em festa agradecendo à mãe natureza
Uma paisagem diferente invade as almas de prazer
A primavera chegou trazendo cores e beleza
Pousa em cada flor, uma abelha contente
Rouxinóis e andorinhas bailam no céu de alegria
Incansáveis borboletas exibem seu voo sincronizado
Margaridas, petúnias, violetas fazem parte desta linda paisagem
A natureza parece que despertou para a vida
Verdes, amarelas, roxas e vermelhas, as flores
enfeitam, colorem e encantam
rosas, jasmins, flores enfim, chegaram todas
A primavera chegou e a natureza toda se enfeitou!
 
Blogger Templates