Ano Novo




          
                 Desejo a você que esteve comigo de algum modo neste ano que está indo embora, um pouco do meu carinho, a certeza de que você foi muito bem vindo(a) e  gostaria  que você volte em algum momento,  por algum motivo, mas principalmente desejo de coração que não te falte jamais as esperanças de um tempo melhor, a força para que não desistas dos teus projetos e que os sonhos nunca se apaguem em teu coração,  para que persista e insista sempre que um obstáculo aparecer, porque eles sempre aparecem e que com todas as dificuldades que você venha a ter, jamais desista de querer ser feliz, pois ser feliz é justamente conseguir superar todas as dificuldades que surgirem.
     Seja persistente! Seja feliz! Neste ano de 2013 e em todos os outros que vierem.



 
                                           Promessa para 2013


      A cada virada de ano todo mundo faz promessas pro novo ano. Tem gente que diz que vai parar de fumar, que vai engordar, vai emagrecer, vai ficar mais tolerante, vai enricar, vai casar, vai caminhar, vai tudo. E tem aqueles que dão três pulinhos não sei pra que, outros que comem romã, semente de romãs, feijão fradinho, cruza os dedos, faz juramentos secretos e por aí afora.
     Eu resolvi ficar bonita. Não riam. Vou ficar mais bonita, porque bonita eu já sou, só me falta é o Glamour...
     Risos à parte, já tem gente duvidando e até apostando que é impossível, já que passei dos 50 e pior que tá não fica. Só que eu resolvi investir em mim e juro que vou conseguir. Não que eu vá visitar meu conterrâneo Pitangui, porque ele tem mais o que fazer, mas eu não careço de tanto. Basta dar uma ajeitada nos cabelos, nas unhas, sim nas unhas, porque o que mais me falta é justamente a dona vaidade que toda mulher tem e eu lembro a velha canção da dona Amélia que não tinha a menor vaidade.
     Já tive um pouco disso aí, quando era adolescente e depois quando fui procurar emprego, mas era como se eu estivesse com uma máscara de corpo inteiro me cobrindo, já que eu fazia uns rabiscos nos olhos e nas unhas para poder fazer bonito perante a dona sociedade. Mas gosto mesmo eu não tinha por andar assim, toda emperiquitada. Sempre gostei do natural só que o natural incomoda as pessoas que sempre se meteram na minha vida com besteiras do tipo, porque você não faz assim ou assado, ou pinta aqui, acolá. E eu fingia que nem ouvia. E sempre incomodei, mas agora incomodada estou eu. Vou mudar radicalmente. Quem viver, verá.
     Nasci morena, mas já fui loura, ruiva e já tive até cabelos vermelhos, mas era mesmo pra esconder os cabelos brancos que sobressaíam desde que eu tinha 12 anos. Meu primeiro fio branco apareceu já nessa idade e eu sabia que meu destino seria contribuir com as fábricas de pinturas de cabelo, até porque isso eu nunca admiti e nem achei bonito. Cabelo branco pra mim, só se for pra depois dos 80 e ainda estou longe disso.
    E chegando bem perto do final do ano, eu que nunca prometi fazer nada diferente porque sempre conto com o vento próprio do destino, resolvi neste fim de ano prometer alguma coisa pro ano que vem. Algo que não fosse tão difícil e nem sacrificado demais como fazer exercícios e dar uma boa caminhada. Até que preciso caminhar e por ordem médica, mas sou preguiçosa e não saio do lugar. Todo dia digo que vou e nunca vou. Mas este ano de 2013 as coisas vão mudar e vai começar por aí; Caminharei,  vou dar pedaladas e sem conversa fiada. Já fiz até minha tabela de horários. Acho que ra isso que faltava, pra começar.
     Engordar eu não consigo, então já desisti. Emagrecer também. Já cansei disso. Nunca chego aos 50 quilos e por conta disso nem posso doar sangue e não posso pensar em ficar gorda porque tenho colesterol elevado, então fico onde estou com meus 48 quilos. Ta bom demais pro meu tamanho. E falando em tamanho, sou quase da altura da Lady Gaga, só que ela é mais altinha, eu só chego a 1 e meio. Pequena grande mulher eu sou e pensando grande, pensei em mim e porque não?
     Sou desleixada aos olhos dos desavisados, porque não me pinto, não faço unhas, não depilo pernas. As pernas eu não depilo porque não tem pelos. Queimei as pernas quando era criança em um incêndio em casa que eu e minha irmã provocamos, brincando com um “durmabem”. O sofá lambeu de madrugada e fui acordada com um balde dágua na minha cara e o plástico do sofá derreteu e ficou grudado nas minhas pernas e só saiu depois de alguns dias, passando bastante pomadas. Então me depilei para sempre. 
     Minhas rugas, claro, apareceram. Muita praia, muito sol, muitas lágrimas e muito sofrimento, fizeram isso, mas a gente pode dar um jeito. Nada que uma botox não dê jeito. Mas isso é um caso a pensar ainda.
     Não to preocupada com rugas porque não sou de fingir que sou jovem. Visto-me como uma pessoa normal pra idade e meus pensamentos é que são desencontrados porque não consigo sair da infância mesmo com tanto tempo passado. Adoro ouvir piadas e rir bastante e ainda gosto de ficar perto dos mais jovens e é isso. Meus filhos vivem dizendo que eu sou é meiomaluca. Mas não sou não. Só não cresço psicologicamente.
        E essa é a minha promessa para o ano de 2013. Me modificar, me valorizar mais, fazendo um bom investimento em mim mesmo, por fora e por dentro para que quando alguém me avistar explane: Nossa, como você ta bonita!
       Mesmo que somente minha alma esteja renovada, já valeu.
       E que todos tenham bons planos para 2013.


                                               


               Hoje, neste momento estou a sentir saudades. E são muitas coisas de que sinto saudades e é sempre quando o natal vem se aproximando. Fico triste e nostálgica e para expressar exatamente o que sinto agora, Clarice Lispector escreveu há anos atrás do jeito que descreve exatamente o que sinto e assim deixo que voces apreciem a grande obra de Clarice e entenda o que sinto. 




Saudades

Clarice Lispector


Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades...
Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,

de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância,

do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...
Sinto saudades do presente,

que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro,

que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...
Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!

De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.
Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram

como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!
Sinto saudades de coisas que tive

e de outras que não tive
mas quis muito ter!
Sinto saudades de coisas

que nem sei se existiram.
Sinto saudades de coisas sérias,

de coisas hilariantes,
de casos, de experiências...
Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia

e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!
Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi

e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.
Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que...

não sei onde...
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi...
Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades

Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês...
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.
Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,

espontaneamente quando
estamos desesperados...
para contar dinheiro... fazer amor...
declarar sentimentos fortes...
seja lá em que lugar do mundo estejamos.
Eu acredito que um simples

"I miss you"
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.
Talvez não exprima corretamente

a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.
E é por isso que eu tenho mais saudades...

Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca

de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência...



     Sei que estou em falta com vocês, mas como eu havia dito estava estudando e agora finalmente terei tempo para o meu querido amigo Blog e para vocês, é claro. Fiz muitas coisas, conheci muita gente, corri muito no dia a dia, mas uma coisa eu tinha certeza. Estava com saudades daqui. Vez em quando rabiscava algum papel e guardava para depois postar quando pudesse.

Primeiramente vou desejar a todos vocês que tenham um lindo dia e que vocês jamais passem o que eu passei ontem. No fim de tudo deu até vontade de rir, ma o problema foi sério.
     Tudo começou quando eu me levantei na sexta-feira para mais um dia de batalha e ainda por cima era feriado de finados. Quase que nem consegui me levantar porque o meu braço direito doía tanto que não deixava apoiar-me direito para sair da cama. Igual uma bola, tive de sair da cama rolando pro lado de fora. Então procurei rapidamente a caixa de remédios que já tenho para qualquer problema (não façam isso! Não tomem remédio por conta própria) e procurei por um antiinflamatório que é porreta pra qualquer "ite" que se tenha e eu achei que era tendinite, porque a dor começava no alto dos meus ombros e chegava até os dedos das mãos que ficaram dormentes e inchados. Eu nem conseguia fechar a mão. Graças a Deus que o outro lado não estava com defeito.
     E como eu disse, não tomem remédio por conta própria porque pode não dar certo para o que você tem e porque também pode te matar. No meu caso além de não dar certo ainda me deu uma bruta dor no estômago que me doía tudo.
     Resolvi então, depois da burrice de tomar qualquer coisa, procurar um médico para solucionar meu problema. Aí começou a saga.
     Cheguei ao hospital na Asa Sul que era conveniado pelo plano que eu tenho, mas não é mais. Depois de pegar a senha 217 e ficar esperando para fazer a ficha por mais de uma hora, o casal de senha 216 foi chamado pelo lindo painel eletrônico e eu fiquei toda boba porque enfim chegaria minha vez, O painel apagou. Simplesmente apagou, do nada. Meu filho deu a maior gargalhada e eu dei um tapa no braço dele e mandei parar de deboche. Quando o casal saiu da fila, como o painel não funcionava mais, o rapaz deu um grito bem alto: 217!!! Fui até ele e ele foi logo medindo minha pressão e perguntando qual era meu problema e etc.,, , quando eu falei do meu plano, ele tirou o trem da pressão do meu braço, pediu desculpas e falou que ali não aceitavam mais o meu plano. O hospital também tinha mudado de nome. Levantei-me da cadeira sem nem saber qual era a minha pressão e quando abri a porta o painel acendeu e apareceu nele 218. Meu filho deu outra gargalhada e eu morrendo de dor e de raiva fiz igual o Zé buscapé, resmunguei alguma coisa que nem eu mesmo entendi.
     Como eu estava com umas merrecas na carteira peguei o buzão e adiantei mais 6 longas quadras e fui para o Santa Lúcia porque lá eu tinha certeza que atenderia porque eu já tinha ido lá algumas vezes e era certo. Peguei uma nova senha, mas pra desencargo de consciência eu perguntei ainda na fila para o meu desespero porque a mocinha simpática da recepção disse “não atendemos mais seu plano, me desculpe”. Meu filho ia rir, mas entendeu. Dei meia volta no quarteirão já que eu estava no setor de hospitais e entrei no Santa Luzia que também atendia meu plano, atendia porque antes de pegar a senha eu fui logo perguntando e outra simpática me disse o que eu temia. Não atendemos mais seu plano, mas o Hospital Planalto atende. E onde fica. Na 914.
     Para quem conhece a Asa Sul e conhece o tamanho das quadras e está na 716 sabe o que é isso. Não dá pra pegar ônibus pra lá na 914 e andar é torturante.
     Meu filho resmungou e eu falei. Acelera porque estou com dor e é só por isso que vou fazer este sacrifício. Marchamos no sol quente, passamos por um pombo morto que estava caído na grama, atravessamos um monte de tesouras e chegamos lá, cansados, suados e Deus sabe lá mais o que.
     Peguei a senha para fazer a triagem e depois fazer a ficha e depois passar pelo médico. Estava na senha 37 e eu peguei a 38. Quase chorei de emoção As coisas estava melhorando. Nem mal sentei na cadeira para aguardar a chamada, a moça simpática da recepção chamou e 38 e lá fui eu toda boba.  Ela perguntou a especialidade que eu queria me consultar e eu disse a ela que pela dor que eu sentia e pelo local que era deveria ser ortopedista e ela disse com um lindo sorriso no rosto "hoje não temos ortopedista". Então eu sorri e falei pra ela que o clínico geral me bastaria, pelo menos eu não perderia a viajem. Negativo o senhor doutor clinico geral não atende casos que sejam de ortopedia. Argumentei com ela que ele poderia pelo menos me passar uma medicação para dor até eu achar um ortopedista. Ela levantou e foi lá falar com o tal doutor que nem veio me ver e mandou dizer que nada feito. Ele simplesmente não iria me atender.
      Deu-me vontade de xingar todo mundo, chorar, quebrar balcão, mas eu sou educada e o que fiz foi caminhar de volta pra casa de onde eu nem deveria ter saído, porque foi uma tarde toda inútil e o braço sem parar de doer.
     Na volta meu filho não ria mais. Tava com calor, tava com sede, tava cansado, tava indignado, tava danado da vida.
     Chegamos no ponto do ônibus na W3 sul e sem poder escolher muito tive de pegar o buzão para casa e viajar em pé, porque quando ele chega ali, não tem mais lugar pra sentar e fui me equilibrando da melhor maneira possível até chegar perto de casa, porque chegou no Park Way a uns 4 quilômetros de casa o ônibus pifou. Aí meu filho falou, caramba mãe tu é muito pé frio! E na mesma hora o telefone me lembrou que tava na hora de tomar remédio. E eu dei um tapão naquele alarme nojento, saí do ônibus junto com o povão e ficamos aguardando o próximo que aparecesse e lógico, se desse pra gente entrar, porque já ia passar ali abarrotado de gente.
      Achei melhor ligar pro meu marido para que ele nos pegasse ali porque era perto de casa e quando eu ia ligar, o maluco do cobrador chamou todo mundo de volta porque o motorista conseguiu fazer o ônibus pegar e foi aquele alvoroço. Quem tava sentado dessa vez foi em pé e vice-versa. Eu, papei mosca e continuei em pé. Cheguei em casa já à noite, com a mesma dor que eu tinha saído e a certeza de que não valeu a pena.
     E esse foi meu dia de cão. O Sus pode ser ruim, mas esses planos pagos deixam a desejar e muito.
     Tenham uma excelente tarde.


                        











Se você gosta de artesanatos e quer aprender um pouco mais ou quer abrir uma lojinha e não sabe como fazer para administrar a mesma você pode se qualificar com direito a carteira de artesã e se inscrever amanhã mesmo em um dos cursos que o GDF vai oferecer aos moradores do DF. O melhor é que os cursos são gratuitos! Clique no link abaixo e saiba como.






                                                     



      Há muitos anos atrás, eu ainda adolescente, ficava toda arrepiada quando ouvia uma certa música dos Fevers no rádio.
      Eu dava um grito histérico, aumentava o volume e cantava junto com eles, aquela que eu julgava ser a música mais bonita que eles haviam gravado.
      O tempo passou e eles continuaram cantando, fazendo shows e eu nunca tive oportunidade de ir a nenhum deles.
      Comprei um album duplo na promoção de uma loja e corri prá casa para ouvir. São dois cd's com uma penca de músicas com o título "As melhores dos Fevers".
      Mas,  para meu desencanto a "minha música" não estava ali.
      Tudo bem, alguém elegeu as melhores como sendo as do disco. Mas, para mim ficaram faltando a minha música preferida e mais uma que eu colocaria como segunda música mais bonita. Como eu já disse, gosto da banda, das suas músicas e já decorei as letras de quase todas elas, mas ficaram me devendo duas belíssimas que eles gravaram e que prá felicidade minha, encontrei na internet e fiz download. Agora tá tudo completo.
     Escutei ela na minha terra natal, agora em julho quando estive na casa da minha irmã mais velha.
     E não deu outra.
     Me arrepiei do mesmo jeitinho que eu fazia do tempo de adolescente. E pra parar de enrolar, a minha música preferida deles é "Alguém em meu caminho" e a outra deixa prá lá.
      Prá quem não conhece ou não lembra, a letra eu consigo mostrar aqui.
      Agora deixe-me matar as saudades...


 

 


Bom dia, já que passa da meia noite. Como eu havia prometido postar uma poesia qualquer um dia destes. Este é o momento. Apreciem com moderação e podem deixar comentários.Eu gosto.


                 Boa noite para vocês. Aqui estou para papear um bocadinho com vocês. Vi hoje na TV que o STJ assinou uma lei polêmica que diz que o menor que for pego traficando pela primeira vez não irá preso. Isso gerou comentários e comentários e fizeram pesquisa pelas ruas de Brasília e o povo ta meio a favor, meio contra. Uns dizem que a primeira vez, sendo menos rigorosa, mas que não deixa de ser uma contravenção que marcará a vida desse jovem, fará ele pensar duas vezes antes de fazer a próxima. Mas não haverá a próxima, porque segundo os outros restantes, acham que os traficantes maiores recrutarão crianças para traficar e quando forem pegas serão substituídas por outras que ainda não tem ficha suja e desse jeito o crime vai aumentar é muito e muito rapidamente. O que eu penso? Exatamente isso. Vai aumenta e muito já que a impunidade foi declarada. Faça, mas somente uma vez. Foi assim mesmo que eu entendi. Claro que outras pessoas pensarão de uma outra forma, terão suas próprias razões para acharem diferente, mas fica uma coisa no ar. O que o STF está querendo dizer ao afirmar dentro da Lei que menor pode traficar, mas somente uma vez? Se cada menor tivesse que falar quem o levou para o crime e este sim fosse preso e por muitos e muitos anos, acho que não haveria tantos menores infratores neste país que parece que passa muito a mão na cabeça das crianças e dos adolescentes que fazem e acontece e fica por isso mesmo. Bem, vamos deixar isso pra lá, porque esse assunto já deu foi pano pra manga hoje. E por falar em hoje, fiz uns colares cachecol com camisetas velhas que aprendi na Net e que achei legal. Está nas fotos lá embaixo. Para quem quiser experimentar a se aventurar o link para o passo a passo é esse: http://www.comofazeremcasa.net/artesanato/recicle-camisas-e-faca-cachecois-para-o-inverno/ Só vim por aqui pra papear com vocês sobre essas poucas novidades e apresentar os colares. No próximo post eu coloco uma poesia para quem gosta. Fiquem com Deus e tenham uma boa noite. Se não conseguirem ver os cachecóis pelo link visite o site porque vale a pena, tem muita coisa para se fazer e tudo com passo a passo. http://www.comofazeremcasa.net 




                                                             


 Quanto tempo não é mesmo? Não vou falar que estava ocupada com outros assuntos porque acho que vocês já imaginavam isso.  Claro que eu deveria ter vindo há mais tempo para dar uma satisfação, mas acontece que nem deu porque eu não estava de posse de um computador. Fui para minha terra Natal e passei dez dias por lá pra espairecer. Foi bom. Dancei até quadrilha na festa julina do Cavaco City em Jacarepaguá,
     Fiz um passeio também por Madureira e aproveitei fui às compras, mesmo estando “dura”, porque lá é tudo baratinho. Minha irmã me deu uma força para que eu trouxesse mais algumas coisinhas já que a grana já havia ido pro beleléu.
      Fui a São João de Meriti ver minha sogra e enfim, andei mais que notícia ruim. Mas foi compensador. De ônibus ou de Van, você aprecia a paisagem, presta atenção nas pessoas e acontece que eu nunca quero voltar. O Rio mudou. Mudou muito e pra mim foi pra melhor. A condução em vista daqui tá de parabéns e as vias mais amplas, mais elaboradas. Fiquei encantada com os bondinhos em uma favela lá perto do aeroporto Santos Dumont. Lindo aquele trabalho. Menos cansativo pro povo de lá, porque subir morro não é brincadeira não. Eu que o diga, já subi e muito. Só não subi na vida ainda, financeiramente. Mas um dia quem sabe eu chego lá?  E sempre chega a hora de ir embora. Sempre chega essa hora. Triste hora. Não gosto de partir e voltar para Brasília, infelizmente.
      Depois da volta, o trabalhão para pôr todas as coisas em ordem novamente e têm o começo de aulas e artesanatos pra fazer, inspirações que me vêem e se vão e quando a gente vê já se passou um bocado de tempo e não fiz foi nada.
     O certo é que o tempo vai passando e eu digo que hoje eu posto alguma coisa, não, não amanhã, porque estou mais folgada, quem sabe hoje amanhã à noite, mas estou aqui.
     Fiz vários artesanatos, poucas poesias. Coloquei duas lá no Recanto das letras e é isso. Pretendo dizer que estarei por aqui agora com mais assiduidade e não quero mentir, por isso vou tentar não deixar vocês tanto tempo sem notícias de mim, mas de vez em quando tenho que parar, resolver as tranqueiras e voltar a respirar. E é aqui que eu respiro e me recrio. Tenho suas presenças. Sinto todas elas em minha volta e isso me deixa feliz.
     Desculpem-me mais uma vez, mas já em outro post contarei casos que me lembro da infância e mostrarei novidades de reciclagem. Por hoje vou deixar meu abraço carinhoso a todos vocês meus visitantes e espero que apreciem os artesanatos que deixo para admirarem. Podem comentar se desejarem, até me xingar ale, já que deixei vocês sem notícias um tempão, mas só não xinguem minha mãe porque isso eu não gosto não.
     Gente, vocês são maravilhosos e eu senti saudades de todos e tenham uma semana abençoada!

                                                      
                       PESO DE PORTA FEITO DE PET E FLOR DE FELTRO IMITANDO HORTENCIA.




                CHAPÉUS ALFINETEIROS. APRENDI NA INTERNET. FÁCIL E BONITO.




 PORTA PANO DE COPA COM FLORES DE FUXICO E ARGOLA DE PLÁSTICO


 

                                                SABONETEIRAS DE PET BORDADA COM PEDRARIAS



                                CESTO DE ROUPAS ENFEITADO COM FLORES DE FUXICO


                    FIZ UMA CAPA PARA MEU BUTIJÃO DE GÁS DE FELTRO COM SIANINHA





                     INVENTEI UM COLOCADOR DE PAPEL LAMINADO E FILME PVC



       COM DOIS POTES INÚTEIS APROVEITEI UM PARA COLOCAR AÇÚCAR E DESENHEI E RECORTEI AS LETRINHAS DE FELTRO E PARA O POTE DE CAFÉ DESENHEI UMA XÍCARA DE CAFÉ EM FELTRO VERDE E FIZ UM CÍRCULO PRETO DE FELTRO E COLEI A XÍCARA.

                            JÁ ESSE OUTRO POTE VAZIO DE VIDRO  VIROU UM ALFINETEIRO CUTE CUTE.



O Ministério do Turismo vai abrir 40 mil vagas em cursos de qualificação para 29 cargos como agente de viagens, camareiras, pizzaiolos, padeiros, confeiteiros,libras, recepcionistas, etc... visando a Copa do Mundo de 2014. Para participar do Pronatec Copa o interessado deve ter 18 anos ou mais. São oferecidos 29 cursos gratuitos em diversas áreas do setor turístico e também cursos de inglês, espanhol e libras. Essa é sua chance de crescer profissionalmente e ter uma vida melhor.

Como Participar
Para participar do ‘Pronatec Copa’, o interessado deve ter 18 anos ou mais, e morar em uma das 12 cidades-sede da Copa, entorno, ou em um dos destinos turísticos selecionados. Os alunos das cidades-sede da Copa das Confederações (Brasília, Fortaleza, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Salvador) terão prioridade nesta primeira seleção de participantes. Mas tem lugar para todo mundo neste time: depois da inscrição efetuada, o interessado será convocado assim que surgir uma vaga.

Como funciona o sistema de inscrição?
A inscrição será feita pelo link Cadastro que estará disponível a partir de 29/06/2102. Além de preencher os dados pessoais (como nome completo, endereço e CPF), o aluno deverá escolher o curso de qualificação que deseja fazer, de acordo com o seu interesse ou com a área de atuação profissional.
     Os inscritos serão pré-matriculados no PRONATEC em função da disponibilidade de vagas ofertadas pelo MEC. Os pré-matriculados no PRONATEC receberão uma comunicação do MEC,via email, informando a data de início e local do curso. A matrícula deverá ser realizada pessoalmente pelo pré=-matriculado, no local do curso.
Quais são as condições para realizar a inscrição?
Os profissionais que já trabalham no setor terão prioridade na pré-matrícula no PRONATEC para 29 os cursos profissionalizantes (FIC - formação inicial e continuada). Para os cursos de idiomas inglês e espanhol só serão aceitas inscrições dos profissionais do setor, isto é aqueles que já trabalham no turismo. No ato da matrícula será solicitada a comprovação. Para o curso de libras a inscrição esta aberta para sem restrições. Na inscrição cada participante poderá escolher um curso de qualificação (profissionalizante) e/ou um de idioma, se trabalhar no setor. Caso contrário, somente poderá escolher um curso dos 29 profissionalizantes. A escolha de um dos 29 cursos dependerá do grau de escolaridade do inscrito, conforme indicado no próprio cadastro de inscrição.

Informações retiradas do site:  www.turismo.gov.br

 
Mais informações

http://pronateccopa.turismo.gov.br/pronatec
 Ou 
acesse o site do Ministério do Turismo no endereço acima : www.turismo.gov.br e clique em PRONATEC copa - cursos de qualificação.





      Alguma vez você já não se perguntou: o que eu estou fazendo aqui que não faço nada? São diversas situações que acontecem ás vezes na vida da gente que a gente não gostaria de estar ali, de ter visto algo, de ter sido vitimado talvez.
      Às vezes temos a impressão de que fomos nós que estragamos tudo e por isso deu errado ou que contribuímos para que fatos ocorressem e ficamos lamentando a sorte. Mas não é nada disso. É porque a vida ajeita as coisas do jeito que ela tem de ajeitar e as coisas precisam acontecer porque simplesmente fazem parte do destino.
       As coisas acontecem simplesmente porque elas tem que acontecer. A vida é assim e assim ela é. O simples fato de vivermos nos deixa à mercê de tudo que a vida tem para oferecer. Coisas ótimas, boas, ruins e as péssimas. Alegres ou tristes a vida se apresenta ora de uma forma, ora de outra e não tem como fugir. É ela que está ali e na vida a gente precisa vivenciar os momentos que ela nos oferece. Se você pensar que somente terá alegrias na vida, você vai sofrer ainda mais porque a vida não é assim. Ela não nos pergunta: Que tal um pouquinho de felicidade hoje? Não. Ela não vai fazer isso contigo.
      O tempo vai passar junto com ela e se a felicidade aparecer ela vai ser breve como tudo na nossa vida é. A vida é a vida e ponto final. Vivamos com o que ela nos oferece e como o destino nos apresenta perante a ela. Ela se encarrega de nos ensinar do jeito dela vários caminhos a serem seguidos, nos dá diversas direções, mas cabe a nós em sã e livre consciência não desanimar e sempre procurarmos o caminho mais justo, mais certo possível, mesmo que ele seja o mais longo, árduo e tristonho, porque os caminhos mais fáceis são curtos e não chegam a lugares bons. Fáceis são os caminhos que nos levam a lugar nenhum, porque no meio deles existem tropeços, vazios e às vezes até a morte rápida.
      Deixo sempre a vida me embalar em suas ondas e luto para que eu seja forte o suficiente quando nela me for apresentado um fato extremo de tristeza e que eu o suporte como sempre suportei as dores que nela encontrei.
      Torço para que ela me seja tranqüila e quem sabe me poupe mais de coisas ruins e me mostre mais alegrias do que eu possa merecer, mas não me iludo jamais, achando que ela é linda, bonita e maravilhosa. Ela tem seus altos e baixos e disso eu já sei.
       Hoje estou assim, meio triste sem nem saber o motivo e a razão. Talvez seja somente nostalgia, saudades dos tempos tão bons que não voltam. Talvez porque eu seja uma romântica perdida em um mundo de coisas tão violentas e sem as cores que eu mesmo tento pintar onde não existem mais belezas.
      Depois de algum tempo vivido a gente não deveria, mas acaba acostumando a ver noticiários recheados de notícias ruins. Ficamos sentados, olhando a tela da Tv, escutando e assim que a notícia vai embora, a gente se distrai vendo um filme, novela ou um desenho animado e acabamos dando risadas e não fazemos nada para mudar esse quadro assombroso de coisas ruins que assolam a humanidade e que entristece a muitos.
      Eu não sei porque a gente é assim, mas estou desconfiada que foi a vida que nos transformou no decorrer dos tempos.
      Eu não queria ser assim, mas sou igual ao resto do mundo que não se espanta mais com o que aconteceu ou deixou de acontecer.








                 


 
Blogger Templates